Pois é, estou aqui novamente “chorando as mágoas” com relação ao Android. Tempos atrás recebi um convite para um webinar da Freescale sobre o Android. O título era sugestivo: “Você sabe o que é Android?”.

Infelizmente eu posso dizer que a cada dia eu sei mais e mais o que é Android…

A experiência que venho tendo com este sistema operacional ao longo de aproximadamente dois anos variou consideravelmente.

No início achei muito interessante a idéia, gostei do ambiente de desenvolvimento (baseado em Eclipse), estudei o sistema. Considerei que o fato de ser uma plataforma de código aberto faria com que ele rapidamente dominasse o mercado. A velocidade das atualizações do Google também impressionaram.

Porém, ao longo do tempo, descobri que a suposta grande velocidade com que o sistema operacional é atualizado não se comunica com o usuário final!

Sim, pois o lançamento de uma nova versão do sistema operacional apenas significa mais trabalho para os fabricantes de celulares, que têm de adaptar o sistema aos seus aparelhos, porém fabricantes de celulares vivem de vender aparelhos, eles não ganham nada atualizando software dos aparelhos que já venderam. Tudo isso eu já comentei em outro post aqui, veja órfãos do Android.

A questão hoje é outra: vale a pena investir nesta plataforma? Há um ano que penso em comprar um tablet (pois é, eu ainda não tenho um), mas sempre fiquei indeciso entre um iPAD (e iOS), um tablet Android ou ainda um tablet com Windows (o que sinceramente nem chega a ser uma opção para mim).

Se por um lado o iPAD é caro e não tão aberto (em termos de recursos) quanto um tablet com Android, por outro lado o iOS cada vez mais tem se mostrado um sistema operacional muito mais maduro, estável e rápido que o Android.

Além disso, a minha experiência como usuário do Android (baseada no Xperia X-10 e nos emuladores do SDK) não foi tão agradável quanto eu gostaria. Na verdade, em diversos momentos o meu celular esteve muito perto de conhecer as paredes do meu apartamento!!!

São problemas diversos e comuns: baixa velocidade de resposta da interface de usuário (você arrasta a tela e ela demooooooooora para responder), aplicação que trava a toda hora (ok, não necessariamente é um problema do sistema operacional), travamento total do aparelho (tornando necessário retirar a bateria para reiniciar), etc.

Tempos atrás fui a um casamento e na nossa mesa um conhecido tinha um iPhone 4. Num determinado momento ele começou a tirar fotos do pessoal (com o iPhone), que inveja: a aplicação da camera carregou de imediato e mesmo em condições de luminosidade deficiente, bastava clicar no botão do obturador para tirar fotos instantaneamente (e com ótima qualidade). Nem preciso dizer que não consigo fazer a mesma coisa com o meu X-10 e a sua câmera de 8.1 megapixels. Em condições de baixa luminosidade a imagem fica horrível, pixelada e se você tremer um “tiquinho” a imagem fica tremida e borrada.

De que adianta ter câmera de 8.1 megapixels se a qualidade das fotos em condições não ideais deixa a desejar? Ou se o tempo de captura de uma foto é de segundos e não milissegundos?

O tempo de carga/inicialização das aplicações também deixa a desejar, contribuindo para a impressão de que o sistema é irresponsivo.

De qualquer forma, a principal questão em relação ao Android hoje é, ao meu ver, a indisponibilidade de atualização do sistema operacional. E esta preocupação com atualizações não é apenas frescura ou coisa de nerd não, é para corrigir bugs, que estão presentes aos montes nas diversas (daqui há pouco inúmeras) versões do sistema operacional.

Cito o exemplo que me atinge diretamente: o bug de sincronização da agenda do Android com o Google. Eu uso e dependo muito da agenda de compromissos no meu celular e adorei a idéia de poder sincronizar a agenda do telefone com a agenda online do Google de forma transparente. Parecia um sonho, que se transformou rapidamente num pesadelo quando veio o horário de verão brasileiro e com isso, os compromissos marcados tinham o seu horário alterado em uma hora! Não cheguei a perder compromissos porque observei o problema antes de ele me afetar, mas depois disso, tive de simplesmente abolir o uso da agenda do Google e utilizar uma aplicação de agenda com seu próprio banco de dados (Jorte).

A questão é que o bug está dentro do sistema operacional, no módulo de software que faz a sincronização da agenda do Android com a agenda do Google e aparentemente este módulo não pode ser atualizado sem que se atualize todo o sistema. Além disso, o Google aparentemente somente corrigiu o bug na versão 4.0 do sistema.

Os sistemas operacionais de desktop como o Windows, o Linux e o MacOS, incluem aplicações que permitem manter o sistema operacional atualizado e operando com o máximo de confiabilidade. No entanto, apesar do Android ser baseado em Linux, não há um mecanismo (não que eu saiba) de atualização e correção do sistema operacional que permite atualizar o mesmo através da Internet. Apesar do Google Market permitir instalar e atualizar as aplicações instaladas no aparelho, ele não permite atualizar módulos do sistema operacional.

A única opção dos usuários de Android é torcer para o fabricante do seu dispositivo disponibilizar uma atualização de sistema ou recorrer a terceiros que fazem modificações e adaptações do Android (em ambos os casos, isto implica em reinstalar completamente o sistema operacional).

O Google precisa rever o posicionamento de suporte ao sistema operacional se pretende sustentar a parcela de mercado que detém atualmente (vale lembrar que logo teremos o Windows 8 para brigar neste mercado também).

 

Qual o futuro do Android?
Classificado como:                    

Deixe uma resposta