Laboratório QuantiPhi e qualificação MICOM

Estou agora aqui no laboratório da ferramenta QuantiPhi da Simuquest, onde está sendo apresentado o laboratório sobre esta ferramenta e posteriormente será feita uma qualificação para uma corrida MICOM.

Para quem não sabe o que é QuantiPhi (como eu), trata-se de uma ferramenta de desenvolvimento MUITO interessante. Ela utiliza uma abordagem top to bottom (de cima para baixo) onde inicia-se o desenvolvimento pela construção do algoritmo básico da aplicação (digamos, o core da aplicação), utilizando-se a ferramenta Simulink do Matlab. A medida que vão sendo modelados os blocos, o desenvolvedor vai se aprofundando em seu desenvolvimento, modelando cada vez mais detalhes do seu sistema, ou seja, inicialmente você inicia com várias “caixas pretas” e vai incluindo o comportamento de cada nível do sistema a medida em que faz o desenvolvimento, até chegar ao hardware diretamente, onde se associa os sinais modelados aos pinos e periféricos do MCU (no caso a linha RL78 de 16 bits ou SH725xx de 32 bits).

Ao final do processo, a ferramenta gera todo o código necessário para a aplicação (em C) e ele pode ser compilador em um compilador disponível no mercado.

O mais interessante desta abordagem é que é possível fazer todo o desenvolvimento do software sem realmente possuir qualquer hardware e mais, além do desenvolvimento, é possível realizar o teste do software diretamente na aplicação final, através da simulação utilizando os modelos matemáticos da aplicação e do ambiente ao qual ela se destina.

Além disso, este tipo de ferramenta acelera enormemente o tempo de desenvolvimento e devido ao fato de ela possuir diversas certificações (como MISRA e futuramente AUTOSAR).

Segundo, John Mills CEO da Simuquest, o custo deste tipo de ferramenta varia conforme o volume de produção, podendo em alguns casos chegar a zero! No caso de pequenos volumes o custo pode girar na casa das dezenas de milhares de dólares.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

thirteen + 16 =